terça-feira, 14 de dezembro de 2010

Show de fé e vida!


No ultimo dia 11 de dezembro aconteceu, na cidade de Guadalupe – PI, um show com a banda Cantores de Deus.

As cantoras Andréia Zanardi, Dalva Tenório e Karla Fioravante cantaram grandes sucessos, como oração da família, já consagrada na voz de Padre Zezinho e Coragem, um grande sucesso da banda.

Em entrevista à equipe da PASCOM elas falaram da missão de evangelizar através da musica; Falaram das dificuldades que uma banda de musica católica encontra em prosseguir e da pouca abertura para tão importante missão no mundo de hoje. Isso e muito mais numa conversa que você pode conferir nos dia 18 e 19/12, nos programas Espaço jovem, sábado, a partir das 13hs e Conversando com Deus, domingo, às 7hs na Radio santa Clara AM 1.580, ou pela internet através do site http://www.radiosantaclara.com.br/

Com 13 anos de carreira elas apresentaram em seu show musicas de reflexão, orações e também apresentações que surpreenderam a um publico que lotou a praça matriz até o ultimo segundo em que a banda esteve no palco.

sábado, 11 de dezembro de 2010

Você é capaz!


Conta-se que, numa tarde nublada e fria, duas crianças patinavam, sem preocupação, sobre um lago congelado.

De repente, o gelo se quebrou e uma das crianças caiu na água.

A outra, vendo que seu amiguinho se afogava debaixo da camada de gelo, pegou uma pedra e começou golpear com todas as suas forças, até que conseguiu quebrá-la e salvar seu amigo.

Quando os bombeiros chegaram e viram o que havia acontecido, perguntaram ao menino:

Como você fez isso? É impossível que você tenha quebrado o gelo com essa pedra e suas mãos tão pequenas!

Naquele instante apareceu um ancião e disse:

Eu sei como ele conseguiu.

Todos perguntaram: Como?

E o ancião respondeu:

Não havia ninguém por perto para lhe dizer que não conseguiria fazer!

É bem possível que você já tenha desistido de algum projeto, ou deixado de tentar, porque havia alguém ao seu lado para dizer que você não seria capaz.

É bem provável que, em algum momento, você tenha fraquejado diante de um empreendimento porque alguém demonstrou falta de confiança em seu potencial de realização.

Muitos de nós somos demasiadamente influenciáveis pelos que nos rodeiam.

O que devemos levar em conta, nesse contexto, é que nem todas as pessoas têm a mesma disposição e a mesma visão das situações. O que para uma parece impossível, para outra é de fácil concretização.

Existem, também, pessoas extremamente pessimistas, que enxergam barreiras em tudo. Outras são exageradamente entusiastas, e até um tanto inconsequentes.

Quantas vezes você pensou em desistir, em deixar de lado ideais e sonhos...

Quantas vezes bateu em retirada, com o coração amargurado pela injustiça...

Quantas vezes sentiu o peso da responsabilidade, sem ter com quem dividir...

Quantas vezes sentiu solidão, mesmo tendo pessoas à volta...

Quantas vezes falou, sem ser notado.

Quantas vezes lutou por uma causa perdida.

Quantas vezes voltou para casa com a sensação de derrota...

Quantas vezes as lágrimas teimaram em cair, justamente quando precisavas parecer forte...

Quantas vezes pediu a Deus um pouco mais de força, um pouco mais de luz...

A resposta sempre acaba vindo, seja lá como for: um sorriso, um olhar de aprovação, um cartão, um bilhete, um gesto de gratidão, de amor...

E você insiste!

Insiste em prosseguir. Em acreditar mais uma vez, em transformar, em dividir, em estar, em ser...

E você sabe porque insiste em continuar?

Porque sabe que tem uma missão a cumprir.

Por essas e outras razões, tenha sempre em mente que você é capaz, senão Deus não teria lhe confiado essa missão que só você é capaz de realizar.

sábado, 20 de novembro de 2010

Por amor a você


Um dia Satanás e Jesus estavam conversando.
Satanás acabava de ir ao Jardim do Éden, e estava fazendo graça e rindo, dizendo:
-Sim senhor. Acabo de apoderar do mundo, cheio de gente lá embaixo. Eu armei a eles uma armadilha, e usei uma isca que sabia que não poderiam resistir. Caíram todos!
- O que vai fazer com eles? Perguntou Jesus.
- Ah, vou me divertir com eles. Respondeu Satanás. Vou ensiná-los como se casar e se divorciar, como odiar e abusar um do outro, a beber e fumar, e, é claro, os ensinarei a inventar armas e bombas para que se destruam entre si. Realmente vou me divertir!
- E o que farás quando se cansar deles? - Perguntou Jesus.
- Ah, os matarei. Disse Satanás com os olhos cheios de ódio e orgulho.
- Quanto quer por eles? Perguntou Jesus.
- Ah, você não quer essa gente. Eles não são bons. Porque os salvaria? Você os salva e eles te odeiam. Vão cuspir em seu rosto, vão te maldizer e te matarão. Você não quer essa gente!
- Quanto? Perguntou novamente Jesus.
Satanás olhou para Jesus e sarcasticamente respondeu:
- Todo o seu sangue, suas lágrimas e sua vida.
Jesus Disse:
- FEITO!
E assim foi pago o preço.

E pensando nisso... Veja o quanto você, caríssimo irmão, caríssima irmã, é importante para nosso Senhor Jesus cristo. Veja o quanto ele te ama a ponto de entregar a vida por sua causa, para sua salvação. Deus não mediu esforços para que nós não nos perdêssemos, pois Deus nos ama e quer nos ver sempre felizes. Por isso mesmo saibamos agradecer todos os dias esse amor tão grandioso que nos é dispensado a cada instante de nossas vidas.

Pense nisso!

sexta-feira, 22 de outubro de 2010

chegar até o fim


“Não; Não pares. É graça divina começar bem. Graça maior persistir na caminhada certa. Manter o ritmo... Mas a graça das graças é não desistir. Podendo ou não podendo, caindo, embora aos pedaços, chegar até o fim...!”

Estas palavras de D. Helder Câmara vem a ser um precioso programa de vida. Ir até o fim dos bons propósitos, sem ceder ao desanimo ou a tentação da volubilidade, apesar da monotomia da caminhada... Esse é o segredo das grandes façanhas. Há uma santa teimosia, penhor de vitória ou de entrada no reino dos céus. É o senhor quem diz: o reino dos céus sofre violência e violentos se apoderam dele (mt. 11,12). Está claro que não se trata aqui da violência armada, mas da fortaleza daqueles que sabem suportar os obstáculos para não perder a verdadeira meta.

Em outra passagem, Jesus diz que a boa semente (a palavra de Deus), dá fruto múltiplo em clima de perseverança ou paciência tenaz. Pouco adianta a fé e o amor que não vão até o fim. Quem percorre a escritura, encontrará com muita freqüência, a recomendação da perseverança heróica: “Sê fiel até morte e eu te darei a coroa da vida” (ap.10; mt. 10,22; 24,13)

Compreende-se bem tal ênfase. Já um famoso ateu dos nossos tempos, Albert Camus, dizia que o que mais o entristecia era ver que a maioria dos homens não chega a seu termo ideal; Param no meio do caminho, pois tudo que é grande e belo, também é árduo e cansativo.

E que haveria de se comparar uma criatura que não chega ao seu fim? Poderia se dizer que ficou anã no plano espiritual e no tocante aos seus valores definitivos.
O medo e a mesquinhez de ânimo são males que ameaçam todo homem. O cristão, chamado a tudo o que há de mais nobre, tem consciência disto e pede ao senhor a graça das graças: “A de não desistir, podendo ou não podendo, caindo, embora, aos pedaços, chegar até o fim!”

Colaboração, Estevão Bittencourt

quarta-feira, 13 de outubro de 2010

Show da banda Rosa de Saron em São Domingos do Maranhão - MA


A banda Rosa de Saron, de Campinas (SP), apresentou o seu mais novo trabalho, intitulado Horizonte Distante, para um publico delirante, no ultimo dia 09, na cidade de São Domingos do Maranhão.

A organização do evento, encabeçada pela paróquia Nossa Senhora do Perpétuo Socorro juntamente com os grupos de pastorais existentes, na coordenação do padre Beto, considerou importante e além da expectativa a presença em massa do público maranhense.

Estiveram presentes no show caravanas dos municípios de Caxias, Timon, Codó, Imperatriz, Barra do Corda, Colinas, Presidente Dutra, Eugênio Barros, Buriti Barros, Bacabal, Dom Pedro, São Luís, alem de Barão de Grajaú e Floriano.

A equipe da Pastoral da comunicação esteve presente e entrevistou os integrantes da banda, que falaram sobre a expectativa para o show e da alegria de cantar musicas que falam sobre o amor de Deus.

Elizangela Arrais

sábado, 25 de setembro de 2010

Nota de falecimento


Com grande pesar divulgamos a morte do Frade Franciscano, Frei José Apicella, de 76 anos, ocorrida no fim da tarde da ultima sexta-feira, 24, em Teresina, após passar vinte e cinco dias internado na UTI em um hospital da capital piauiense.

O frade italiano chegou no Piauí em janeiro de 1976 e logo começou a trabalhar nas cidades da região e atualmente residia e trabalhava na cidade de Ladri Sales-Pi.

Houve a celebração da missa de corpo presente para o religioso na Igreja de Nossa Senhora das Graças, no começo dessa manhã e estavam presentes frades, religiosos e centenas de populares.

O corpo foi trasladado após a celebração para o município de Marcos Parente-PI onde o mesmo prestou inúmeros serviços à comunidade.

As mãos


Naquela manhã o jovem professor chegou à escola um tanto cabisbaixo.

Problemas se somavam e pesavam sobre sua sensibilidade de jovem idealista.

Estava difícil suportar. Foi então que, durante uma reunião de trabalho ele não pode controlar as lágrimas que lhe escorreram pelo rosto, em abundância.

Uma amiga, que o observava, em silêncio, estendeu as mãos e segurou as dele, num gesto de ternura.

Foi uma atitude simples, mas significou muito para aquele jovem, pois ele sabia que a amiga tinha uma vida super atarefada; muitas atividades e preocupações, filhos, marido, empresa, mas, mesmo assim, tinha tempo para dedicar ao amigo, para estender-lhe as mãos.

Aquele gesto simples levou o jovem a escrever sobre a importância das mãos. O texto diz mais ou menos assim:

As mãos podem muitas coisas: oferecer apoio no momento certo, estender-se para consolar, segurar firme para amparar.

Mas o que mais podem as mãos?

As mãos saúdam, as mãos sinalizam. As mãos envolvem, dão carinho. As mãos estabelecem limites. Escrevem. Abençoam. As mãos desenham no ar o "adeus", o "até logo".

As mãos agasalham. Curam feridas. Para o mudo a mão é o verbo. Para o idoso é a segurança. Para o irascível a mão erguida é ameaça. Para o pedinte a mão estendida é súplica.

Para quem ama, a mão silenciosa, que acolhe a do ser amado, é felicidade. Para quem chora, a mão alheia é conforto.

Há mãos que agarram, perturbadas. Há mãos que tocam, suaves. Há mãos que ferem. Há mãos que acariciam. Há mãos que amaldiçoam. Há mãos que abençoam. Há mãos que destroem. Há mãos que edificam, trabalham, realizam.

Jacó estendeu as mãos para abençoar Efraim e Manassés. Moisés estendeu as mãos para transmitir a Josué a autoridade para conduzir o povo de Israel, em seu lugar. Jesus impôs as mãos sobre as crianças para abençoá-las. Também impôs as mãos para curar a filha de Jairo, o surdo-mudo, o cego de Betsaida, e tantos outros.

Nossas mãos podem exteriorizar o amor, construindo templos, hospitais e escolas; fabricando vacinas e equipamentos médicos; alimentando famintos, medicando enfermos...

Podem concretizar a paz social assinando tratados de armistício, escrevendo livros, guiando carros, pilotando aviões, varrendo ruas, tocando instrumentos musicais, pintando telas, esculpindo, construindo móveis, prestando serviços... Podem manifestar fraternidade, ao lembrarmos da essencialidade do humano, da sensibilidade, da empatia, estendendo-as a um irmão que, num dia difícil, põe-se a chorar.

Suas mãos são abençoadas ferramentas para construção de um mundo melhor. Use-as sempre para edificar, elevar, dignificar, apoiar, acenar com a esperança de melhores dias...

Pense nisso!!!

terça-feira, 21 de setembro de 2010

Procissão reúne milhares de fiéis em honra a Nossa Senhora da Guia


Estima-se que mais de cinco mil pessoas participaram na tarde dessa segunda-feira, 20, da procissão de encerramento das festividades em homenagem a Nossa Senhora da Guia, que fica no bairro de mesmo nome.
Do ponto de concentração, balão das avenidas Calisto Lobo com Dirceu Arco-verde, bairro Viazul, até a Capela da Santa, homens, mulheres, adulto, velhos e crianças seguiram a pé num percurso de cerca de 4km.
Muitas das pessoas participantes carregavam inúmeros objetos como forma de agradecimento para alguma graça alcançada, ou seja, pagavam promessas que acreditam terem sido atendidas no que solicitaram.
Para a surpresa dos fiéis católicos, o novo bispo de Floriano, o baiano Dom Valdemir Ferreira dos Santos, participou de todo o percurso e já na Capela, no bairro Guia, o líder religioso presidiu a celebração de encerramento do festejo.
De acordo com a organização do festejo, o Bispo da Diocese de Floriano ficou surpreso com a quantidade de pessoas que estavam na procissão de Nossa Senhora da Guia.
Os organizadores acreditam ter sido um dos maiores eventos já realizados na comunidade.

terça-feira, 14 de setembro de 2010

Advinha quanto eu te amo


Era hora de ir para a cama, e o coelhinho se agarrou firme nas longas orelhas do coelho pai.
Depois de ter certeza de que o papai coelho estava ouvindo, o coelhinho disse: "adivinha o quanto eu te amo!".
"Ah, acho que isso eu não consigo adivinhar" - respondeu o coelho pai.
"Tudo isto" - disse o coelhinho, esticando os braços o mais que podia.
Só que o coelho pai tinha os braços mais compridos, e disse: "e eu te amo tudo isto!"
"Hum,isso é um bocado" pensou o coelhinho.
"Eu te amo toda a minha a altura" - disse o coelhinho.
"E eu te amo toda a minha altura" - disse o coelho pai.
"Puxa,isso é bem alto, pensou o coelhinho. Eu queria ter braços compridos assim".
Então o coelhinho teve uma boa idéia. Ele se virou de ponta-cabeça apoiando as patinhas na árvore, e gritou: "eu te amo até as pontas dos dedos dos meus pés, papai!"
"E eu te amo até as pontas dos dedos dos teus pés" - disse o coelho pai balançando o filho no ar.
"Eu te amo toda a altura do meu pulo!", riu o coelhinho saltando de um lado para outro.
"E eu te amo toda a altura do meu pulo" - riu também o coelho pai, e saltou tão alto que suas orelhas tocaram os galhos da árvore.
"Isso é que é saltar; pensou o coelhinho. Bem que eu gostaria de pular assim."
"Eu te amo toda a estradinha daqui até o rio" - gritou o coelhinho.
"Eu te amo até depois do rio, até as colinas." - disse o coelho pai.
"É uma bela distância pensou o coelhinho." Mas, àquela altura já estava sonolento demais para continuar pensando.
Então, ele olhou para além das copas das árvores, para a imensa escuridão da noite e concluiu: nada podia ser maior que o céu.
"Eu te amo até a Lua!" - disse ele, e fechou os olhos.
"Puxa, isso é longe" - falou o papai coelho - "longe mesmo!"
O coelho pai deitou o coelhinho na sua caminha de folhas, inclinou-se e lhe deu um beijo de boa-noite.
Depois, deitou-se ao lado do filho e sussurrou sorrindo: "eu te amo até a Lua... ida e volta!"
E você, já disputou alguma vez com seu filho quem gosta mais um do outro?
Geralmente as disputas são em torno de questões como quem joga futebol melhor, quem corre mais, quem vence mais etapas no vídeo game, quem coleciona mais troféus, etc.
A vida atarefada, o corre-corre, os inúmeros compromissos, por vezes nos afastam das coisas simples como sentar na cama ao lado do filho e lhe contar uma história, enquanto o sono não vem.
Acariciar-lhe os cabelos, segurar suas mãozinhas pequenas, fazer-lhe companhia para que se sinta seguro.
Deitar-se, sem pressa, ao seu lado quando ele vai para a cama, falar-lhe das coisas boas, ouvir com ele uma melodia suave para espantar os medos que tantas vezes ele não confessa.
Falar-lhe do afeto que sentimos por ele, do quanto ele é importante em nossa vida. Dizer-lhe que um anjo bom vela seu sono e que Deus cuida de todos nós.
E se você pensa que isso não é importante, talvez tenha esquecido das muitas vezes que arranjou uma boa desculpa para se aconchegar ao lado do pai ou da mãe, nas noites de temporal...
Se, às vezes, é difícil se aproximar de um filho rebelde, considere que a sua rebeldia pode ser, simplesmente, um apelo desajeitado de alguém que precisa apenas de um colo seguro e um abraço de ternura.

sexta-feira, 3 de setembro de 2010

Reflexão sobre o amor


Ninguém, que saiba refletir sobre a vida humana, seus relacionamentos e suas exigências, ignora que o que entrelaça a existência e lhe dá sentido é o amor. É o que impulsiona a criatura humana para buscar sempre seu bem-estar e sua felicidade. Difícil descrevê-lo, por misterioso que é, mas é o que impulsiona a vida e lhe dá sentido. A própria Escritura sacra define Deus como o Amor (1º Jo 4, 8).

O grande pregador Padre Antonio Vieira, cujos sermões em nossa língua são de beleza indescritível, deixou lindas e profundas reflexões sobre o amor divino e o amor humano. Lembra porém que o amor pode ser destruído por muitos perigos que ele chama de “remédios” que podem curar o amor. E diz que Cristo evitou estes perigos dando-nos sua presença eucarística para não sofrer o resfriamento que a distância poderia causar. Profunda reflexão.

O que, em primeiro lugar, pode esfriar e até destruir o amor, diz o Padre Vieira, é o tempo que “tudo gasta, tudo digere, tudo acaba”. Compara ele o afeto amoroso com a vida. Quanto mais longa for, é certo de passar a durar menos. É a motivação que levava os antigos, na sua sabedoria que o tempo ensina, a pintar o amor como se fôra um menino, “porque não há amor tão robusto que chegue a ser velho”. Com o correr do tempo o amor cria asas, com que voa e foge.
Mas isto acontece quando, quem ama, não toma os necessários cuidados de fazer de cada dia o primeiro dia.

Santo Agostinho, um dos sábios da antiguidade, adverte-nos, que o amor – se verdadeiro – tem de ser eterno, porque se vier a desaparecer, nunca de fato foi amor. Em tudo mais na vida, quando desaparece, prova que existiu. Só com o amor se dá o contrário: se deixa de ser, é certo que nunca foi. Se desaparecer, esfria e morre. Se fôra, nunca deixara de ser...

Esta é a razão pela qual, quando terminava uma ordenação sacerdotal, das muitas que tive a alegria de realizar como bispo, sempre recomendava ao jovem sacerdote que fizesse de cada dia de seu ministério, sempre o primeiro dia. O mesmo vale para o casal. Já que não existe casal infeliz no dia do casamento.
Por certo é o que levou o evangelista São João a registrar que o amor de Cristo por nós, tanto ao instituir a Eucaristia, como a dar-nos a redenção na cruz, foi permanente, isto é, até o fim. Ou melhor: até depois do fim... Nem vale querer justificar o fim do amor por motivos que pareçam razoáveis. É só lembrar a sábia advertência de Camões: “É tanto mais o amor depois que amais / quanto são mais as causas de ser menos”.

Colaboração, Dom Benedicto de Ulhoa Vieira

sábado, 7 de agosto de 2010

A origem do Dia dos Pais


Ao que tudo indica, o Dia dos Pais tem uma origem bem semelhante ao Dia das Mães, e em ambas as datas a idéia inicial foi praticamente a mesma: criar datas para fortalecer os laços familiares e o respeito por aqueles que nos deram a vida.
Conta a história que em 1909, em Washington, Estados Unidos, Sonora Louise Smart Dodd, filha do veterano da guerra civil, John Bruce Dodd, ao ouvir um sermão dedicado às mães, teve a idéia de celebrar o Dia dos Pais. Ela queria homenagear seu próprio pai, que viu sua esposa falecer em 1898 ao dar a luz ao sexto filho, e que teve de criar o recém-nascido e seus outros cinco filhos sozinho. Algumas fontes de pesquisa dizem que o nome do pai de Sonora era William Jackson Smart, ao invés de John Bruce Dodd.
Já adulta, Sonora sentia-se orgulhosa de seu pai ao vê-lo superar todas as dificuldades sem a ajuda de ninguém. Então, em 1910, Sonora enviou uma petição à Associação Ministerial de Spokane, cidade localizada em Washigton, Estados Unidos. E também pediu auxílio para uma Entidade de Jovens Cristãos da cidade. O primeiro Dia dos Pais norte-americano foi comemorado em 19 de junho daquele ano, aniversário do pai de Sonora. A rosa foi escolhida como símbolo do evento, sendo que as vermelhas eram dedicadas aos pais vivos e as brancas, aos falecidos.
A partir daí a comemoração difundiu-se da cidade de Spokane para todo o estado de Washington. Por fim, em 1924 o presidente Calvin Coolidge, apoiou a idéia de um Dia dos Pais nacional e, finalmente, em 1966, o presidente Lyndon Johnson assinou uma proclamação presidencial declarando o terceiro domingo de junho como o Dia dos Pais (alguns dizem que foi oficializada pelo presidente Richard Nixon em 1972).
No Brasil, a idéia de comemorar esta data partiu do publicitário Sylvio Bhering e foi festejada pela primeira vez no dia 14 de Agosto de 1953, dia de São Joaquim, patriarca da família.
Sua data foi alterada para o 2º domingo de agosto por motivos comerciais, ficando diferente da americana e européia.

Ser pai é ser companheiro,
construindo no ninho familiar a grandeza dos filhos,
para alicerçar valores que edificam a sociedade.
Ser pai é ser jardineiro,
plantando raízes de virtudes com mãos delicadas,
para que o lar seja sementeira de luz e de verdade.
Ser pai é ser herói,
protegendo o espaço sagrado de seu templo-família,
cultivando no coração dos filhos o germe da harmonia.
Ser pai é ser fonte de vida,
inaugurando nossa história com gestos de amor,
renovando perenemente a herança da criação.
Ser pai é ser poeta,
declamando com carinho os versos de sua vivência,
para cultivar e enobrecer os projetos de nossa existência...

segunda-feira, 5 de julho de 2010

Novo Bispo assume diocese de Floriano.


A manifestação de acolhida ao novo líder da Igreja católica, Dom Valdemir Ferreira dos Santos, começou com uma carreata que acompanhou o religioso na chegada à cidade de Floriano no dia 03 de julho de 2010, passando pelas principais avenidas e chegando à Catedral de São Pedro de Alcântara, onde a comunidade católica o aguardava para acolhida.

A noite, em frente à praça da igreja matriz houve o hasteamento das bandeiras do Brasil, Piauí e Floriano, tendo no procedimento o prefeito Joel e os bispos: Dom Augusto Alves e Dom Valdemir Ferreira.
Logo em seguida houve a entrada de Dom Valdemir Ferreira dos Santos na celebração eucarística de posse, acompanhado de dezenas de padres, bispos do Piauí, de outros estados e ainda de autoridades políticas municipais e estaduais.
Participaram da missa, alem dos florianenses, caravanas de varias cidades do Piauí, Ceará, Maranhão e Bahia.

O baiano Dom Valdemir Ferreira dos Santos, filho de pais já falecidos que passa a comandar os destinos da Igreja Católica do município florianense, interior do Piauí, nasceu no dia 30 de março de 1960, em Nova Canaã-BA. Formado em Filosofia e Teologia com bacharelado em teologia e licenciado em Filosofia foi ordenado sacerdote em setembro de 1987 na arquidiocese de Vitória da Conquista, estado baiano.

Dentre outras atividades como servo de Deus, Dom Valdemir foi pároco da Paróquia de Nossa Senhora das Candeias em Vitoria da Conquista, vigário regional do Vicariato São Lucas, membro do Conselho Presbiterial e do Colégio dos Consultores e Ecônomo Arquidiocesano.

Dom Valdemir foi nomeado Bispo da Diocese de Floriano pelo Papa Bento XVI em 16 março de 2009, foi sagrado bispo na Arquidiocese de Vitória da Conquista em 30 de maio deste ano (2010) e neste sábado, 3 de julho, assumiu a Diocese que tem o comando de três paróquias: São Pedro de Alcântara (centro), Nossa Senhora das Graças (bairro Ibiapaba) e Nossa Senhora Sant`Ana (bairro Campo Velho).

Depois da celebração eucarística a Equipe da PASCOM conversou com Dom Valdemir, que falou um pouco sobre o trabalho que fará junto à comunidade florianense apartir de agora. Acompanhe o áudio da entrevista e fotos dos principais momentos no vídeo:
video
Dom Augusto, que agora entrega a diocese nas mãos do novo Bispo, também nos concedeu entrevista, fazendo um balanço da caminhada realizada durante os anos que passou à frente de nossa diocese. Acompanhe: video

A comunidade católica de Floriano vibra e louva a Deus ao som da Banda Anjos de Resgate.


O show contou com a presença de crianças, jovens, adultos e idosos, alem de religiosos das paróquias da cidade de Floriano e cidades vizinhas.
A noite de quinta-feira, 01, ficará marcada na memória de muitos florianenses. A Banda Católica Anjos de Resgate fez um show na praça da matriz e cantou as mais belas canções de louvor a Deus. Além das músicas, mensagens de fé, esperança, força de vontade e amor, tudo em nome de Deus.
O show faz parte da programação de aniversário de Floriano. Milhares de pessoas cantaram e choraram ao som da banda Anjos de Resgate. Caravanas das cidades Piauienses de: Nazaré do Piauí, Canto do Buriti, São Raimundo Nonato, Itaueira, Jerumenha, Amarante, Oeiras, São Francisco do Piauí – Marcaram presença também caravanas das cidades Maranhenses: Barão de Grajaú, São João dos Patos e Pastos Bons.
Com 10 anos de carreira a banda já contabiliza 6 cd´s e 2 dvd´s gravados, já vendeu quase um milhão de cópias e conquistou 5 discos de ouro, 2 discos de platina e o primeiro DVD de ouro da história da música católica.
Mas o sucesso da banda vai mais além, eles fazem da música um instrumento de conversão para muitos corações, ser sinal de vida em um mundo marcado por uma cultura de morte.
O estilo musical da banda encanta jovens, adultos e crianças. Durante o show em Floriano o que mais chamou a atenção foi à animação e a voz dos florianenses. O público cantou e dançou do começo ao fim, isso chamou a atenção dos integrantes da banda que elogiaram os florianenses; “A hospitalidade do povo florianense foi calorosa, e isso nos deixou muito animados.” – falou Eraldo Mattos, vocalista da banda.
Na opinião dos religiosos de Floriano, a música e a tecnologia estão contribuindo para evangelização dos jovens e o fortalecimento espiritual.

sábado, 26 de junho de 2010

Tudo que Deus faz é bom...


Existia, em uma terra distante, um rei e seu primeiro ministro.
O rei era justo e bondoso. O primeiro ministro era um homem bom e sábio, e sempre dizia que a felicidade reinava porque existia um Deus bom e justo, que sempre fazia o que era melhor para todos. O rei seguia os passos de sabedoria do seu primeiro ministro que sempre dizia: "tudo que Deus faz é bom..."
Essas eram sempre as palavras que faziam com que o rei fosse sensato e bondoso para com os seus súditos.
O rei tinha dois passatempos diários. Um deles era trabalhar com madeira, fazendo talhas e esculturas e o outro era cavalgar pela floresta todas as manhãs, em companhia de seu primeiro ministro.
Enquanto cavalgavam, os dois conversavam sobre os mistérios da vida. O rei sempre procurava explicações para suas aflições e nessas saídas diárias, em companhia de seu sábio primeiro ministro, ele encontrava conforto para seu coração, muitas vezes cheio de dúvidas e preocupações.
Um dia, o rei estava trabalhando em sua oficina, serrando madeira, quando, inesperadamente, a serra decepou seu dedo indicador. Desesperado e aflito, mandou chamar seu primeiro ministro. Tinha esperança de que ele pudesse explicar o motivo pelo qual Deus havia permitido que o acidente acontecesse com ele, uma pessoa boa, justa e honesta.
Porém, para surpresa do rei, o primeiro ministro, em vez de confortá-lo com palavras de alento e consolo, limitou-se a repetir o que sempre dizia "tudo que Deus faz é bom".
Ao ouvir tamanha afronta, o rei, irado e desconsolado, mandou que os guardas o levassem para a prisão.
Depois do acidente, a vida do rei ficou diferente. Não tinha ninguém para conversar e confidenciar pensamentos mas continuava com seus passatempos diários, trabalhando a madeira e cavalgando todas as manhãs, só que agora ia sozinho.
Um belo dia, enquanto cavalgava por um recanto mais distante da floresta, foi aprisionado por índios selvagens. Levado para a tribo, amarrado e assustado, a única coisa que o rei poderia fazer era rezar e pedir a Deus que lhe desse proteção e paz.
Chegando à tribo, o rei foi surpreendido por uma grande festa. Tambores e chocalhos soavam, índios pintados dançavam em volta de um altar, onde um sacerdote permanecia sentado em completo transe...tudo estava preparado para a grandiosa festa de sacrifício aos Deuses dos índios.
A um pequeno movimento do sacerdote, alguns índios aproximaram-se do rei, desamarraram suas mãos e começaram a pintá-lo com cores fortes e berrantes. O sacerdote então aproximou-se e começou a dizer palavras que o rei não compreendia.
Enquanto dançava ao redor do altar, o sacerdote observou que o rei não possuía um dos dedos da mão. Irado e frustrado, ordenou que o rei fosse libertado, pois um ser incompleto não poderia ser oferecido em sacrifício para os deuses.
Após ser libertado, o rei voltou ao castelo. Enquanto caminhava pela floresta, pensava sobre o que havia acontecido: "realmente tudo que Deus faz é bom". Se não tivesse perdido um dedo, teria perdido a vida.
Uma questão, porém, ainda perturbava o rei. O que explicaria a permanência do seu fiel primeiro ministro na prisão, durante todo aquele tempo?
Seria este Deus justo apenas para o rei e não para seus súditos?
Chegando ao castelo, o rei ordenou que o primeiro ministro fosse solto e trazido a sua presença. Afinal, era impossível para ele entender o motivo pelo qual Deus havia sido tão injusto com um homem tão bondoso.
Ao vê-lo, o rei contou o que havia acontecido pela manhã e falou: "agora compreendo que perdi um dedo mas em compensação não perdi a minha vida. No entanto, não entendo porque Deus não foi benevolente com você. Como isso pode ter sido bom para você?"
O sábio e paciente amigo então lhe respondeu: "vossa alteza se esqueceu que tínhamos o costume de cavalgar juntos todas as manhãs? O que teria acontecido comigo se eu estivesse em sua companhia na floresta hoje?
Afinal, eu tenho todos os meus dedos...
Deus faz coisas que, em determinados momentos, não podemos compreender e as julgamos erradas, mas no futuro entenderemos que foram em nosso próprio benefício. E por fim concluiu: "tudo que Deus faz é bom..."
Pense nisso!!!

sábado, 29 de maio de 2010

Desculpe, foi engano.


Você já fez, algum dia, uma ligação telefônica para um número que não era o desejado?

Certamente, sim, pois isso é muito comum.

E o que você costuma dizer numa situação dessas? Provavelmente pede desculpas pelo engano, ou desliga o telefone assim que ouve a voz que lhe atende.

Mas também é muito provável que você já tenha atendido uma ligação em que alguém, do outro lado da linha, tenha dito: Desculpe, foi engano. E o que você diz, nesses casos?

Infelizmente, há muita falta de tolerância para com esse tipo de equívoco, cometido por um número expressivo de criaturas.

O comum é se ouvir o telefone batendo com violência, ou reprimendas e palavrões ditos por aqueles que atendem a um telefonema indesejado do senhor engano.

E isso acontece porque a pessoa que assim age conta com o anonimato, pois se alguém lhe bate à porta da casa, por engano, provavelmente não age dessa forma.

No entanto, há casos belíssimos de telefonemas feitos aparentemente por engano, e que tiveram um desfecho inesperado.

É o caso de um jovem sacerdote que, há algum tempo, foi acordado pela campainha do telefone, por volta das quatro horas da madrugada.

Ele atendeu e percebeu que a moça que falava do outro lado da linha, tinha a voz entrecortada pelas lágrimas e estava visivelmente transtornada.

Ouviu, por alguns instantes, e notou que era engano, pois a jovem nem o deixou falar e já começou a fazer considerações como se estivesse falando com outra pessoa.

Avisava-o que, por causa do seu comportamento, por ter sido abandonada quando soube da gravidez indesejada, havia tomado uma super dose de comprimidos, com a intenção de se suicidar.

O sacerdote procurou informá-la, com muito jeito, de que ela não estava falando com a pessoa que desejava, mas talvez tivesse ligado para a pessoa certa.

A voz da moça estava cada vez mais fraca, suas forças estavam se esvaindo, mas o padre procurou manter o diálogo até saber o seu nome e endereço.

Assim que desligou o telefone, providenciou o socorro, indicando aos médicos o endereço e também o que havia ocorrido.

Algum tempo depois, estava o jovem padre celebrando uma missa, quando percebeu uma moça chegar timidamente e sentar-se ao fundo da sala.

Ao terminar a celebração, alguém lhe apresentou a jovem dizendo que ela estava à sua procura.

Ela se apresentou e disse que era a moça do telefonema por engano, daquela madrugada amarga.

Falou-lhe que o socorro chegou a tempo de salvá-la e que estava ali para lhe agradecer...

Para lhe agradecer por não ter desligado o telefone quando percebeu que era engano, mesmo tendo seu sono perturbado em plena madrugada...

Por ter ouvido seus xingamentos iniciais com tolerância e ainda lhe oferecer palavras de esperança, naquele momento de desespero...

Por ter-lhe dito que o suicídio, além de não pôr fim à vida, ainda agrava os problemas.

E, finalmente, agradecer-lhe por estar viva naquele momento, ela e seu filho por nascer, e poder ouvir novamente suas palavras de consolo e esclarecimento, acerca das leis que regem a vida.

Ao atender um telefonema indesejado, procure ser gentil. Geralmente a pessoa que se engana está atribulada, e não faz de propósito.

E, se porventura você se der conta de que ligou para o número errado, desculpe-se com educação.

Considere que, em tudo o que lhe acontece na vida, você sempre pode tirar a melhor lição.

Pense nisso!

sábado, 8 de maio de 2010

Porque não devemos condenar todos os nossos sacerdotes...


Você sabe quantos Padres temos no Brasil? Vamos fazer uma conta?

Até o dia 1º de maio de 2010, a Igreja contava com 18 mil padres no Brasil. E mais de 100 milhões de fiéis. Isso significa que cada padre tem que atender a mais de 5555 fiéis.
Agora faça essa conta comigo:
• 10% de 18 mil padres = 1.800 padres
• 1% de 18 mil padres = 180 padres
• 0,1% de 18 mil padres = 18 padres
• 0,01% de 18 mil padres = 1,8 padres
Quantos padres brasileiros estão envolvidos em escândalos pela mídia? 2 ou 3? Isso significa menos de 0,02% de todos os padres do Brasil!
• E os outros 99,98%?
• Nós vamos condenar todos os padres por causa de 2 ou 3?
• Nós vamos deixar de acreditar em 11 Discípulos porque Judas traiu Jesus?
• Nós vamos deixar de acreditar no Senhor por causa disso?
• Deixaremos de ir à Igreja e de comungar por causa da mídia escandalosa?
Pense bem: mesmo você sendo pecador e imperfeito, mesmo com dúvidas, mesmo que você se afaste da Igreja de Cristo, mesmo assim Jesus morreu por você!
Pense nisso com carinho.

Colaboração, Dom Eduardo Pinheiro da Silva

sexta-feira, 23 de abril de 2010

O dia de hoje


Certo dia um professor estava aplicando uma prova e os alunos, em silêncio, tentavam responder as perguntas com uma certa ansiedade.

Faltavam uns quinze minutos para o encerramento e um jovem levantou o braço e disse: professor, pode me dar uma folha em branco?O professor levou a folha até sua carteira e perguntou-lhe porque queria mais uma folha em branco, e o aluno falou: eu tentei responder as questões, rabisquei tudo, fiz uma confusão danada e queria começar outra vez.

Apesar do pouco tempo que faltava, o professor confiou no rapaz, deu-lhe a folha em branco e ficou torcendo por ele.

A atitude do aluno causou simpatia ao professor que, tempos depois, ainda se lembrava daquele episódio simples, mas significativo.

Assim como aquele aluno, nós também recebemos de Deus, a cada dia, uma nova folha em branco. E muitos de nós só temos feito rabiscos, confusões, tentativas frustradas, e uma confusão danada...

Outros apenas amassam essa nova página e a arremessam na lixeira, preferindo a ociosidade, gastando o tempo na inutilidade.

Talvez hoje fosse um bom momento para começar a escrever, nessa nova página em branco, uma história diferente, visando um resultado mais feliz.

Assim como tirar uma boa nota depende da atenção e do esforço do aluno, uma vida boa também depende da atenção e da dedicação de cada um.

Não importa qual seja sua idade, sua condição financeira, sua religião... Tome essa página em branco e passe sua vida a limpo.

Escreva, hoje, um novo capítulo, com letras bem definidas e sem rasuras. E o principal: que todos possam ler e encontrar lições nobres.

Não se preocupe em tirar nota dez, ser o primeiro em tudo, preocupe-se apenas em fazer o melhor que puder.

Pense que mesmo não tendo pedido, Deus lhe ofereceu uma outra folha em branco, que é o dia de hoje.

Por isso, não se permita rabiscar ou escrever bobagens nesta nova página, nem desperdiçá-la.

Aproveite essa nova chance e escreva um capítulo feliz na sua história.

Use as tintas com lucidez e coragem, com discernimento e boa vontade. Não poupe as palavras: dignidade, amizade, fraternidade, esperança e fé.

Assim, ao terminar de escrever esse novo capítulo da sua vida, você não verá rasuras nem terá que reescrevê-lo em tempo algum, porque foi escrito com nobreza e sabedoria.

Aproveite este dia e ame com todas as forças do seu coração, sem restrições, sem ver defeitos ou tristezas.

Conjugar o verbo amar é escrever uma história feliz.

Não espere que a melhoria, a prosperidade e o bem-estar caiam do céu milagrosamente, sem fazer força.

Tudo tem o preço da conquista, da busca, da participação, do esforço.

São muito potentes os talentos que você dispõe, ainda não explorados pelo seu pensar e sentir, e muitas são as suas possibilidades de crescer e conquistar o que mais quer ou precisa, chegando à felicidade.

Basta que não amasse nem rabisque de forma inconseqüente essa página em branco, chamada hoje.

Pense nisso!

sábado, 17 de abril de 2010

ouça sem parar!!!


Ouça os Programas:
“Encontro com o povo de Deus”, de segunda a quinta feira, de 13:00 hs as 13:30 hs; Apresentação: Raimundinha Carvalho
“Conversando com Deus”, Todos os domingos, das 7:00 hs às 8:00 hs manhã; Apresentadores: Carlos Lima, Elizangela Arrais, Enofre Carvalho e Helaine Oliveira.
“Espaço jovem”, todo sábado, de 13:00 hs as 15:00 hs apresentadores: Rauenna Emanuella e Marciele Batista
Todos esses programas pela rádio Santa Clara AM 1.580krz.
Floriano-Pi (89) 3522-1504
Acompanhe nossos programas ao vivo também pela internet, através do site:
http://www.radiosantaclara.com.br

sábado, 3 de abril de 2010

Marco Pigossi, Priscila Karine e Ricardo Pereira no espetáculo da Paixão de Cristo de Floriano-PI.


O grupo Escalet de teatro há 15 anos realiza o espetáculo da Paixão, morte e ressurreição de Cristo. A peça é apresentada no Espaço Cultural Cidade Cenográfica, o segundo maior teatro a céu aberto do nordeste e terceiro maior do Brasil.
Todos os anos o grupo traz atores globais para abrilhantar este lindo espetáculo, que tem em média 30 mil espectadores. Este ano as personalidades que marcarão presença no palco são: Marco Pigossi (o Kassio da novela Caras e bocas), Ricardo Pereira (o João da novela Negocio da China), alem da modelo Priscila Karine.

Na tarde de ontem, dia 02, após ensaio com o grupo e pouco antes da apresentação, o ator Marco Pigossi concedeu entrevista exclusiva à equipe da PASCOM.

Marco Pigossi falou da alegria de participar pela primeira vez de uma apresentação desse porte e do desafio que isso representa para ele, pois é um trabalho muito diferente do que costuma fazer.
Ressaltou ainda que fazer teatro num espaço aberto é totalmente diferente de fazer teatro num espaço fechado, e também muito mais difícil.
Quando perguntado se ele se sentia nervoso com a expectativa da apresentação ele respondeu:
- “Quando eu cheguei ao Piauí estava mais nervoso, mas depois de ensaiar com o pessoal eu estou mais seguro. Um pouco mais tranqüilo. Eu acho que depois de ensaiar e ‘pegar’ o texto com os outros atores... Isso me deu uma acalmada.”

Marco Pigossi ressaltou ainda que quando o ator perde o nervosismo antes de entrar em cena, perde também a essência como ator.

Na oportunidade podemos conversar também com a modelo Priscila Karine, miss Piauí, que vai encenar o papel de Salomé na apresentação do grupo Escalet.
Priscila Karine contou do entusiasmo de representar esta personagem tão interessante que é a Salomé, esta mulher sedutora e tão ousada para seu tempo. Priscila revelou detalhes de sua atuação, como a dança que fará com espada antes de exigir que lhe entreguem a cabeça de João Batista numa bandeja de prata.
O espetáculo da Paixão de Cristo acontece nos dias 02 e 03 de abril na cidade cenográfica de Floriano e tem como diretor geral do grupo Cesar Crispim.

Elizangela Arrais

quinta-feira, 18 de março de 2010

Nomeado novo Bispo da Diocese de Floriano


Padre Valdemir Ferreira, da Arquidiocese de Vitória da Conquista, na Bahia, é o novo Bispo de Floriano.

Padre Valdemir Ferreira dos Santos, da arquidiocese de Vitória da Conquista, na Bahia, é o novo bispo da diocese de Floriano, no estado do Piauí. A nomeação foi anunciada nesta quarta-feira, 17, pelo papa Bento XVI e sua posse está prevista pra junho deste ano. Padre Valdemir vai suceder a dom Augusto Alves da Rocha, 76, que pediu renúncia após completar 75 anos, conforme prescreve o cânon 401 parágrafo 1º do Código de Direito Canônico.

Ordenado padre em 1987, padre Valdemir é baiano da cidade de Nova Canaã e completará 50 anos no próximo dia 30 de março. Atualmente é vigário episcopal e ecônomo da arquidiocese de Vitória da Conquista (BA), além de pároco da paróquia Nossa Senhora das Candeias, em Vitória da Conquista.

O novo bispo fez seus estudos de filosofia no Seminário Maior do Nordeste de Minas, em Teófilo Otoni (MG), e de teologia na Pontifícia Faculdade de Teologia Nossa Senhora da Assunção, em São Paulo. Em 2002, obteve a licença em teologia bíblica, na Pontifícia Universidade São Tomás de Aquino, em Roma.

Na arquidiocese de Vitória da Conquista, foi moderador das paróquias de Iguaí, Nova Canaã e Ibicuí (1987). Foi pároco da paróquia Nossa Senhora das Graças, em Vitória da Conquista. Coordenou a catequese na arquidiocese por dez anos e, durante três anos, foi professor no Instituto Diocesano de Filosofia.
Exerceu, ainda, a função de vice-reitor e reitor do Seminário Maior de Filosofia e reitor do Seminário propedêutico. Durante dois anos, foi presidente do Conselho Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente.
Desde 2007 é diretor da Escola de Formação Diaconal, sendo ainda vigário episcopal do Vicariato São Lucas, membro do Conselho Presbiteral e do Colégio de Consultores.

A Conferência Nacional dos Bispos do Brasil, por meio de sua Assessoria de Imprensa, saúda o novo bispo e lhe deseja frutuoso trabalho nesta nova missão que lhe é confiada pelo papa. Ao mesmo tempo agradece a Dom Augusto pelo zelo pastoral com que serviu ao povo de Deus na diocese de Floriano.

Elizangela Arrais

quarta-feira, 24 de fevereiro de 2010

Celebrados os 50 anos de sacerdócio de Dom Augusto


Bispo da Diocese de Floriano foi bastante prestigiado em seu Jubileu de Ouro.

A comunidade católica de Floriano e de cidades vizinhas festejou na noite deste sábado (20/02) os 50 anos de ordenação sacerdotal de Dom Augusto Rocha.
A Igreja Matriz de São Pedro de Alcântara ficou pequena para a quantidade de pessoas que foram prestigiar a missa solene que começou às 19 horas. Todo o adro da Catedral de São Pedro de Alcântara ficou tomado pelos fiéis que acompanharam a celebração através de um telão.
Cerca de 70 padres marcaram presença na celebração, além de 8 bispos, entre eles o Arcebispo de Teresina, Dom Sérgio, e o antecessor de Dom Augusto na Diocese de Floriano, Dom Fernando Paníco, que atualmente é Bispo do Crato-CE.
Entre as autoridades presentes, além das locais, estiveram os Deputado Federais Paes Landim e Nazareno Fonteles, o ex-governador do Piauí, Freitas Neto e o Prefeito de Teresina Silvio Mendes.
Após a celebração, houve um momento de confraternização da comunidade católica, amigos, familiares de Dom Augusto e autoridades como deputados e prefeitos. A confraternização foi no Comércio Esporte Clube.
Houve momentos de homenagens, exposição de fotos, clipping de jornais e outros sobre o trabalho de Dom Augusto, além de um documentário sobre sua história, e de música ao vivo.

Trajetória:

Dom Augusto Alves da Rocha é o primeiro bispo da recém-criada Diocese de Floriano. Com 76 anos de idade, Dom Augusto chega ao Jubileu de Ouro de sacerdócio com uma história de muito trabalho e momentos importantes vividos em Floriano.
Dom Augusto Alves da Rocha é nascido em Aparecida, hoje Bertolínia-Piauí, em 17/07/1933, cursou o primário de 1940 a 1945 no Grupo Escolar Agrônomo Parentes, e de 1940 a 1947 o ginasial, no Colégio Santa Teresinha, ambos de Floriano -PI.

Formação religiosa:
- 1940-1951- Seminário Sagrado Coração de Jesus- Teresina- PI;
- 1953-1975- Seminário São José- Crato- CE;
- 1953-1960 - Pontifícia Universidade Gregoriana Filosofia e Teologia- Roma- Itália.
- 21/02/1960- Ordenado Sacerdote, na Igreja de São Marcelo, em Roma - Itália;
- 1961 - 1969 - Nomeado Vigário das Paróquias de Simplício Mendes e Paulistana- PI;
- 1969-1975 - Nomeado Vigário Cooperador da Paróquia de S. Pedro de Alcântara- Floriano - PI;
- 28/05/1975 - Eleito por sua Santidade o Papa Paulo VI, Bispo de Picos- PI;
- 23/08/1975- Ordenação Episcopal em Floriano - Pi;
- 21/09/1975- Posse na Diocese de Picos -PI;
- 23/08/1975- Presidente Nacional Da Comissão Pastoral da Terra;
- 1994 / 1997 - Membro do Comitê Diretor de Pax Christi Internacional - Bruxelas - Belgica;
- 1995 - 1998 - Membro do Conselho Nacional do Movimento de Educação de Base /MEB. Durante sua gestão a Comissão Pastoral da Terra foi agraciada com o Prêmio Nobel Alternativo da Paz.
- Tomou posse como Bispo da Diocese de Oeiras - Floriano em 29/12/2001 e como 1º Bispo da Diocese de Floriano em 18/05/2008.

sábado, 6 de fevereiro de 2010

Floriano pede Paz!!


Num clima de muita harmonia e integração, centenas de pessoas participaram nesse domingo, 31 de janeiro, da II Caminhada da Paz, um evento promovido pela Igreja Católica, através das três paróquias de Floriano: Nossa Senhora Santana, Nossa Senhora das Graças e São Pedro de Alcântara. A concentração foi no bairro Tiberão, nas imediações do estádio Tibério Barbosa Nunes e percorreu ruas e avenidas da cidade, num percurso de aproximadamente 4 km, até a Igreja de Nossa Senhora das Graças no bairro Ibiapaba, onde foi celebrada uma missa para um numero de aproximadamente 6 mil pessoas.
Um dos objetivos principais da II caminhada pela paz, segundo os organizadores é defender ações sociais que construam mecanismos que fortaleçam a valorização e a dignidade humana.
Durante a caminhada foram lembrados casos que abalaram a comunidade florianense, como o caso do assassinato de um jovem durante um assalto, no final do ano de 2009, e todos os participantes, usando camisetas, bandeirolas e cartazes na cor branca, declararam guerra à violência e a intolerância que assola nossa cidade.

Elizangela Arrais

sábado, 23 de janeiro de 2010

Um estimulo especial


Conta-se que uma família do leste europeu foi forçada a sair de sua casa, quando tropas inimigas invadiram a localidade onde viviam. Para fugir aos horrores da guerra, perceberam que sua única chance seria atravessar as montanhas que circundavam a cidade.
Se conseguissem ter êxito na escalada, alcançariam o país vizinho e estariam a salvo. A família compunha-se de umas dez pessoas, de diversas idades. Reuniram-se e planejaram os detalhes: a saída de casa, por onde tentariam a difícil travessia. O problema era o avô. Com muitos anos aos ombros, ele não estava muito bem. A viagem seria dura.
– “Deixem-me”, falou ele. “Serei um empecilho para o êxito de vocês. Somente atrapalharei. Afinal, os soldados não irão se importar com um homem velho como eu”.
Entretanto, os filhos insistiram para que ele fosse. Chegaram a afirmar que se ele não fosse, eles também ali permaneceriam.
Vencido pelas argumentações, o idoso cedeu. A família partiu em direção à cadeia de montanhas. A caminhada era feita em silêncio. Todo esforço desnecessário deveria ser poupado. Como entre eles havia uma menina de apenas um ano, combinaram que, a fim de que ninguém ficasse exausto, ela seria carregada por todos os componentes da família, em sistema de revezamento.
Depois de várias horas de subida difícil, o avô se sentou em uma rocha. Deixou pender a cabeça e quase em desespero, suplicou: – “Deixem-me para trás. Não vou conseguir. Continuem sozinhos”.
– “De forma alguma o deixaremos. Você tem de conseguir. Vai conseguir”, falou com entusiasmo o filho.
– “Não”, insistiu o avô, “deixem-me aqui”.
O filho não se deu por vencido. Aproximou-se do pai e energicamente lhe disse: – “Vamos, pai. Precisamos do senhor. É a sua vez de carregar o bebê”.
O homem levantou o rosto. Viu as fisionomias cansadas de todos. Olhou para o bebê enrolado em um cobertor, no colo do seu neto de treze anos.
O garoto era tão magrinho e parecia estar realizando um esforço sobre-humano para segurar o pesado fardo. O avô se levantou.
– “Claro”, falou, “é a minha vez. Passem-me o bebê”.
Ajeitou a menina no colo. Olhou para o seu rostinho inocente e sentiu uma força renovada. Um enorme desejo de ver sua família a salvo, numa terra neutra, em que a guerra seria somente uma memória distante tomou conta dele.
– “Vamos”, disse, com determinação.
– “Já estou bem. Só precisava descansar um pouco. Vamos andando”.
O grupo prosseguiu, com o avô carregando a netinha.
Naquela noite, a família conseguiu cruzar a fronteira a salvo. Todos os que iniciaram o longo percurso pelas montanhas conseguiram terminá-lo. Inclusive o avô.
Se alguém a seu lado, está prestes a desistir das lutas que lhe compete, ofereça-lhe um incentivo. Recorde da importância que ele tem para a pequena ou grande comunidade em que se movimenta. Lembre-o que, no círculo familiar, na roda de amigos ou no trabalho voluntário, ele é alguém que faz a diferença. Ninguém é substituível. Cada criatura é única e tem seu próprio valor. Uma tarefa pode ser desempenhada por qualquer pessoa, mas uma pessoa jamais substituirá a outra.
Não permita que ninguém fique à margem do caminho, somente porque não recebeu um incentivo, um estímulo, um motivo para prosseguir, até a vitória final.